Saber o que é toyotismo é importante para se sair bem nas provas de Geografia, Sociologia e História no Enem. Sistemas produtivos industriais geralmente são cobrados e ter a resposta na ponta da língua vai te ajudar a mandar bem na prova.

Por isso, fizemos um resumo sobre toyotismo e um mapa mental para te ajudar a memorizar mais fácil os conceitos.

Leia mais:
As 5 matérias de Geografia que mais caem no ENEM
Introdução à química orgânica e exercícios
Segunda Guerra Mundial | Resumo

O que é Toyotismo?

O toyotismo é um sistema que surgiu no Japão após a Segunda Guerra-Mundial por Taiichi Ohno, funcionário da Toyota. O país enfrentava uma séria restrição econômica na época.

Estudar Toyotismo

O sistema toyota de produção foi criado para evitar desperdícios no processo de produção do produto e principalmente acabar com o estoque.

Com aumento da produção e do consumo, foi criada a concepção administrativa do “just in time”. Isso significa que existem momentos certos para produzir, comprar matéria prima e transportar o que foi produzido. A mercadoria deve ser feita de acordo com demanda. Ou seja, ela começa a partir do momento em que pedido é feito.

Características do Toyotismo

mapa mental sistemas produtivos industriais sobre taylorismo, toyotismo e fordismo

Mapa mental: diferenças entre taylorismo, fordismo e toyotismo

O processo de produção no modelo toyotista é muito diferente do adotado no Fordismo (saiba mais na aula). 

Antes, a mão de obra era alienada e focada em uma única tarefa. Depois, passou a fazer parte de equipes pequenas e qualificadas. Assim os trabalhadores passaram a conhecer todo o processo produtivo e a opinar a respeito da produção para otimizar o processo.

A autonomação também é algo importante neste sistema produtivo. Ela é a associação da automação (robótica) com o trabalho humano. Com isso, o que era feito manualmente por diversos trabalhadores passou a ser feitos por robôs que são controlados por trabalhadores mais qualificados.

Além disso, as fábricas também sofreram alterações, tornaram-se mais “enxutas” e associadas ao processo de terceirização. Esse processo consiste em externalizar ao máximo o processo de produção e, assim, minimizar os custos.

Por isso, o toyotismo está relacionado com a dispersão da produção industrial mundial.

Leia também:

Ciclos biogeoquímicos: resumo
10 assuntos que podem cair no Enem 2018
O que é proporção, razão e escala?

Taylorismo e Fordismo

Taylorismo

O método desenvolvido por Frederick Taylor denominado Taylorismo consiste em otimizar as tarefas para aumentar o rendimento dos funcionários.

Taylor é considerado o pai da Administração Científica, na qual a empresa passa a ser estudada pelo ponto de vista científico.  

A Administração Científica tem como base 5 princípios:

  • Utilização de processos cientificamente testados e não uso de métodos empíricos e achismo. A metodologia científica começa a fazer parte das fábricas.
  • Controle do trabalho dos operários a fim de validar que o trabalho está sendo feito dentro do processo estabelecido e atingindo a meta estabelecida. Os trabalhadores passam a ser contratados de acordo com as suas aptidões e recebem treinamento para as tarefas que irão exercer.
  • Distribuição de tarefas para evitar perda de tempo na execução de determinado trabalho e maximizar a produtividade.
  • Supervisão dos trabalhadores por diversas pessoas especializadas na função. 
  • Importância do bem-estar e felicidade do trabalhador. Taylor defende que o funcionário precisa estar feliz para aumentar os lucros e a produtividade.

Taylor foi a inspiração direta para Henry Ford criar o Fordismo.

Fordismo

O Fordismo recebeu esse nome em homenagem a Henry Ford, seu criador. Esse modelo de produção foi adotado desde a Segunda Revolução Industrial (saiba mais na aula) até a década de 80.

Ele foi considerado o mais eficiente de todos durante muito tempo. É baseado na ideia de produção em massa para atender ao consumo massivo.

O princípio do fordismo era o da necessidade de ter preços baixos para o produto ser vendido abundantemente. Mas o produto precisava ser produzido em larga escala e seguir algumas concepções de produção para que o preço fosse baixo.

Os trabalhadores de fábricas fordistas eram especialistas em apenas uma área do processo e o ambiente de trabalho era organizado em esteiras rolantes.

As fábricas eram grandes instalações que ficavam em centros urbanos e suportavam uma produção excessivamente verticalizada. Ou seja, todo o processo de produção era realizado do início ao fim dentro da fábrica.

Você já sabia o que é Toyotismo e as diferenças entre esse sistema e Fordista e Taylorista? Quer aprender mais sobre industrialização e sistemas produtivos industriais? Veja uma aula no Geekie Games. 😉